fbpx
A sua opinião

Foto de apresentação:  Tarentola bischoffi – Vanessagil87 [Wikipedia]

 

 

Sim, é no território Português que se encontram as vulgarmente chamadas de “#osgas-das-Selvagens”, estes animais incríveis são endémicos e residentes das Ilhas Selvagens! Conheces? Estas ilhas belíssimas localizam-se a sudeste da Ilha da Madeira, e a área de distribuição destes répteis integra-se na Reserva Natural, onde o acesso é limitado. De facto, estas ilhas têm algo de especial, as Selvagens são formadas por três ilhas: Selvagem Grande, Selvagem Pequena e Ilhéu de Fora, e são muitas vezes consideradas como pertencentes a um conjunto de locais chamados de hotspots de biodiversidade, ou seja, locais que representam um foco de maior diversidade, quer seja de fauna quer seja de flora, e isso é algo bastante único!

 

Estas fantásticas #osgas são animais crepusculares e noturnos, de olhos salientes e grandes! Com uma cauda larga e corpo curto achatado, dedos largos e com padrão de escamas uniforme, gostam de se abrigar sob rochedos relativamente grandes, e alimentam-se sobretudo de insetos! Já conhecias estes belos exemplares? Bom… no passado, as suas populações encontravam-se vulneráveis, no entanto após a erradicação do coelho e do murganho, a população de osgas da Selvagem Grande começou a mostrar um aumento, e tem evidenciado uma tendência populacional crescente, este facto pode dever-se também à redução da ação predatória que os murganhos exerciam sobre os juvenis. As suas principais ameaças em termos de predadores serão talvez as aves marinhas e em particular a #lagartixa-da-madeira que eventualmente pode predar os seus ovos. É importante então sensibilizar as populações para a importância da conservação destes animais, afinal de contas, são únicos, e muitos estão restritos a áreas bastante pequenas do globo, e merecem a nossa atenção, e proteção. Há aqui que notar alguns pontos importantes que temos que ter em conta quando se avalia as populações destes animais que estão restritos a determinados locais, neste caso em particular, devido à distribuição limitada e baixa altitude das ilhas, o que torna os eventos naturais como é exemplo dos eventos estocásticos, tempestades, e aumento do nível do mar agentes causadores de mais suscetibilidade destas populações, em paralelo com a introdução de espécies exóticas e/ou doenças, no caso de pragas estas podem sensibilizar bastante as populações, daí ser de grande importância monitorizar estes animais.

 

Tarentola bischoffi – Vanessagil87 [Wikipedia]

 

E foi em 2013 que saiu uma notícia bastante curiosa, em que uma equipa de #biólogos portugueses veio revelar que as #osgas-das-Selvagens podiam ser identificadas pelo padrão da sua íris! Sabemos que o padrão de muitos animais não é igual, mesmo dentro da própria espécie, como é o caso de, por exemplo o padrão de riscas nas zebras, onde nenhum indivíduo tem um padrão igual. No entanto, foi desenvolvido uma abordagem com o intuito de monitorizar as populações destas osgas, então usando como base o reconhecimento do padrão da íris usado em humanos, estes investigadores portugueses desenvolveram um método equivalente… para osgas! Com o intuito de identificar e monitorizar os indivíduos, permitindo estimar as suas densidades populacionais, ponto fulcral quando se trata principalmente de espécies ameaçadas, ou com distribuições geográficas reduzidas, confinadas a certos locais do globo, o que as torna mais vulneráveis. Bastante interessante, não achas? É quase como se através dos olhos conseguissem identificar quem és, neste caso, de que indivíduo da #osga-das-Selvagens se trata, costuma-se dizer que «não há duas coisas iguais», não é? Bom, aqui não é exceção, na verdade, são únicas, cada uma delas, com um padrão de íris característico e singular de cada indivíduo. Fantástico!

 

Referências: 

Filipa Alves 2013. #Biólogos portugueses descobrem que, tal como os humanos, as osgas-das-selvagens podem ser reconhecidas individualmente pelo padrão da íris. Naturlink. Available: http://naturlink.pt/article.aspx?menuid=20&cid=74839&bl=1. [Acedido a 20 Junho 2019] 

Nicolau Ferreira 2013. #Osgas podem ser identificadas pelos seus olhos, mostra estudo português. Jornal Público. Available: https://www.publico.pt/2013/11/04/jornal/osgas-podem-ser-identificadas-pelos-seus-olhos-mostra-estudo-portugues-27341681. [Acedido a 20 Junho 2019] 

GIL, Cátia Vanessa Figueiredo – Crescimento individual da osga-das-Selvagens (#Tarentola bischoffi): influências das variações sazonais na disponibilidade alimentar. Lisboa: Faculdade de Ciências – Universidade de Lisboa, 2011. Tese de Doutoramento.

 

AJUDEM-NOS

Save the

REPTILWORLDPARK

Project

Clic Here !

x

Informação COVID-19

Na sequência da pandemia mundial que afecta todos os países, com todos os inconvenientes sanitários e económicos que os acompanham. Lamentamos informá-lo de que o projecto Reptilworldpark, que ainda estava em vias de ser criado, há um mês, já não poderá ser criado na sequência da perda dos financiamentos previstos. Agradecemos sinceramente a todos aqueles que nos apoiaram durante os seus dois anos de preparação e, acima de tudo, prestem atenção, protejam-se!

Jeziel Carvalho
Responsável pelo projecto Reptilworldpark

***

Following the global pandemic that affects all countries, with all the health and economic disadvantages that go with it. We regret to inform you that the Reptilworldpark project, which was still in the process of being set up a month ago, can no longer be set up as a result of the loss of planned funding. We sincerely thank all those who supported us during their two years of preparation and, above all, pay attention, protect yourselves!

Jeziel Carvalho
Responsible for the Reptilworldpark project

You have Successfully Subscribed!