fbpx
A sua opinião

Será que os #répteis são animais solitários, ou será que preferem agregar-se? Além destas hipóteses existem outras, será que apenas se reúnem na altura do acasalamento e/ou da postura? Ou mesmo para hibernarem? Ou para apanharem banhos de Sol? Sim, como os Humanos gostam de fazer, na altura do verão. No entanto, os répteis necessitam do Sol para aumentar a sua temperatura corporal, pois são animais ectotérmicos, coisa que, os Humanos, não são, apenas gostamos de vitamina D, não é? Mas então vamos ao assunto que realmente nos trouxe aqui: o comportamento social dos répteis. Afinal, será que estes animais gostam de companhia ou preferem estar sozinhos do que mal acompanhados? Ora, vejamos então a diversidade que existe, neste artigo.

Começando pelas espetaculares #tartarugas, arrisco em dizer que já possas ter observado em documentários estes répteis a deslocarem-se até à praia para colocar os seus ovos, reparaste também que raramente o fazem sozinhas? Normalmente quando uma o faz, existem mais a fazer, no mesmo local, digamos que nidificam em massa, e regularmente, nas mesmas praias, o que as pode tornar vulneráveis a #predadores, e em particular, ao Homem. Algumas espécies #migratórias concentram-se em grande número, por um período de tempo, para #nidificarem. Nas tartarugas pode existir hierarquia, quando os territórios das tartarugas se sobrepõem pode existir, relações de dominância. Maioria das #tartarugas aquáticas reúnem-se na altura do acasalamento, e também se podem reunir para dormir! Sim, para #hibernar. Ou para apanhar Sol, como é o exemplo da espécie: #Chrysemys picta. Além disso, existe um comportamento peculiar entre algumas #tartarugas, pelo facto de removerem com a boca, algas e escamas da #carapaça umas das outras.

 

Dermochelys coriacea

 

Os #lagartos podem ser mais ameaçadores quando algum intruso invade o seu espaço, adotam atitudes como: mudar de cor, abrir a boca de maneira a parecer mais agressivos, incham de modo a parecerem maiores e mais ferozes, alguns podem abanar a cauda de maneira brusca para afugentar invasores ou mesmo abanando a cabeça demonstrando o seu desagrado. Na época de reprodução pode existir variações e por exemplo, no caso da #iguana-marinha (#Amblyrhynchus cristatus), os machos delimitam os seus territórios, muitas vezes existem combates entre eles, quem sair vencedor tem um prémio: território maior e melhor, mais vasto, acasalando normalmente mais vezes. As jovens #iguanas, frequentemente mantêm-se em grupo, algumas podem trocar golpes de língua, expandir as pregas cutâneas e esfregarem-se umas nas outras. É de facto, um componente importante – a comunicação – não somos só nós, Humanos, que comunicamos uns com os outros, no entanto, meios como mensagens por telemóvel, não são a opção dos #répteis, mas sim, por exemplo: meios químicos, mais precisamente glândulas mucosas localizadas ao nível das coxas ou mesmo na região cloacal, geralmente mais visíveis e maiores nos machos, que libertam secreções para marcar o seu território e muitas vezes também para atrair as fêmeas, como muitos outros seres vivos fazem, no entanto, nem sempre é regra geral que apenas os machos têm #glândulas deste tipo, pois em fêmeas de algumas espécies, estas estruturas também estão presentes.

 

#Natrix natrix

 

As serpentes na época de acasalamento podem tornar-se bastante agressivas, pois, novamente os machos são seduzidos pelo odor que as fêmeas libertam nesta altura. É libertada uma secreção química, mais concretamente uma feromona, que serve como um indicador, neste caso, para os machos, transmitindo-lhes que as suas “parceiras” estão recetivas para acasalar. Os machos detetam este indicador hormonal, pelo seu órgão de #Jacobson – que referi no artigo anterior. Em algumas espécies, os machos rivalizam e combatem frequentemente pela fêmea, noutras espécies os machos lutam mesmo na ausência da fêmea, erguem a cabeça o mais que podem, levantando a cauda, e estes combates longos determinam quem acasala com aquela fêmea. No entanto, nem sempre é assim, muitas vezes um macho apenas repele outro, e não demora longos períodos de tempo de combate, existe um que simplesmente se retira.

Nos #crocodilos, o que poderá ser mais curioso em termos de comportamento social é o facto destes animais, nomeadamente as fêmeas, fazerem uma patrulha constante ao seu ninho. Quando as crias estão prestes a eclodir começam por quebrar a casca, já sendo sensíveis a estímulos exteriores, estas soltam uns grunhidos agudos quando sentem as vibrações que a progenitora faz, como se comunicassem algo do género: “Está na hora de saírem do ovo.” Na maioria das espécies, é a fêmea que carrega as crias recém-nascidas na sua boca repleta de dentes extremamente fortes, com as suas #mandíbulas impenetráveis, e extremamente seguras para os seus filhotes. Algumas espécies têm umas autênticas “creches” aquáticas, e o que é curioso é que estes animais fazem um acompanhamento que muitas vezes pode ser bastante prolongado, às suas crias, que são extremamente vulneráveis quando ainda são pequenas, pois há sempre predadores à espreita, e todo o cuidado é pouco, até para um dos predadores mais ferozes do reino animal. A isto se chama equilíbrio da natureza, para todo o predador, há uma presa, e todo o #predador pode virar presa, dependendo das circunstâncias.

Este artigo poderá fazer com que, surja outra questão: “como será o comportamento reprodutivo dos répteis?” Continua atento às novidades, pois em breve, irás saber responder a essa questão!

AJUDEM-NOS

Save the

REPTILWORLDPARK

Project

Clic Here !

x

Informação COVID-19

Na sequência da pandemia mundial que afecta todos os países, com todos os inconvenientes sanitários e económicos que os acompanham. Lamentamos informá-lo de que o projecto Reptilworldpark, que ainda estava em vias de ser criado, há um mês, já não poderá ser criado na sequência da perda dos financiamentos previstos. Agradecemos sinceramente a todos aqueles que nos apoiaram durante os seus dois anos de preparação e, acima de tudo, prestem atenção, protejam-se!

Jeziel Carvalho
Responsável pelo projecto Reptilworldpark

***

Following the global pandemic that affects all countries, with all the health and economic disadvantages that go with it. We regret to inform you that the Reptilworldpark project, which was still in the process of being set up a month ago, can no longer be set up as a result of the loss of planned funding. We sincerely thank all those who supported us during their two years of preparation and, above all, pay attention, protect yourselves!

Jeziel Carvalho
Responsible for the Reptilworldpark project

You have Successfully Subscribed!